Thursday, December 18, 2008

A Lágrima de um Diabo


Deslumbrado pelo incerto

Fui cortando caminhos avulsos
Procrastinando as cicatrizes
Precedendo os sangramentos
Desatinando com o relento
Expelido por mim mesmo
Despia-me desatento
E cobria-me de pudor
Mesmo sem tapar a dor
Da consciência recobrada
Tardia e redobrada
Clamante e atroadora
Aos ouvidos do escrúpulo
Que nada pôde fazer.

Quando vi, ali estava,
Sob os olhos do pecado
Encarando o Diabo
Provocando a sua ira
Distorcendo a sua mira
Ciente das armadilhas
Que eu armara com desvelo.

Só após ser derrotado
Percebi, sobressaltado,
Que o inferno era um ermo
E ao lutar contra o Diabo
Eu perdera pra mim mesmo!

(Dimas Gomes)

5 Comments:

Blogger Ary Régis said...

Y así lo hizo mi pequeño diablo saboteador.

5:51 PM  
Blogger Gabriela said...

Menino, esse final foi tudo!
Aposto que ele foi pensado antes de se fazer o poema, acertei? :)
beijo doce.

4:18 PM  
Blogger Mariane said...

Procrastinar. ;)

8:56 PM  
Blogger lutch said...

Parabens pelo poema... interessante... =)

9:56 AM  
Blogger Loredana said...

Saudade do diabinho!

Sempre, sempre fantástico!


=*

3:21 PM  

Post a Comment

<< Home